O pão do dia

Sete horas da manhã e já estava cansada. Contou as moedas. Dava para comprar um algodão doce. Beca lhe daria um sorriso e perguntaria: é para mim mamãe? É, valia a pena ficar sem o suco do almoço. Mas e o Luís? Não ligou. Será que está sem tempo?

_ Oi amor, tudo bem aí?

_

_ O que foi?

_

_ Mas tome cuidado. Vá com calma, você  está em processo de contratação e eu ainda não estou fixa no meu trabalho. No começo a gente tem que aguentar mais sapo.

_

_ Não vem não. Eu não estou boa para levar paulada hoje.

   

na eira

descascando pedra,

aspira sonhos,  mata pulmão de sal.

a cabeça no sustento do tronco, do pescoço.

não te mintas, é o pensamento.

 

Luís se consegues ir, vá.

põe-te a correr e lhe sumirá das miragens.

põe-te a voar,

mas leve embora a fome Luís, a fome.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s